Refúgio e Riwo Sangchöd

Dzongsar Khyentse Rinpoche falou sobre refúgio e oferenda de Riwo Sangchöd, em Taipei, Taiwan.

Pressione Play para ouvir online, ou download [6.7M] o podcast no formato mp3. 14:05 minutos.




Transcrição em português do ensinamento de Refúgio em Tara e Ritual de Oferenda Riwo Sangchö

Como eu disse, esta prática inclui recitação e um tipo de ritual.  Muitos de nós não temos a capacidade e a habilidade de recorrer à meditação e ao controle da mente, quando surgem situações adversas.  Então, apesar de nós budistas falarmos em vacuidade, interdependência e outros elementos de um caminho não teísta, seres humanos comuns como nós, quando mergulhados numa crise, automaticamente acabam adotando uma atitude muito teísta, religiosa, supersticiosa, e coisas assim.   

Não estou aqui fazendo nenhum julgamento;  esse é um sintoma que manifestamos.  Não se trata de fazer um julgamento moral;  não podemos dizer que uma pessoa é má porque ela tem dor de cabeça.  Esse  é apenas um sintoma que apresentamos.  Portanto, o que é preciso é aplicar alguns remédios.  

Como seres do samsara, seres mundanos, passamos por situações difíceis e crises, uma atrás da outra.   No momento, estamos atravessando uma enorme crise financeira.  Mas, mesmo antes disso, eu não me lembro de um mês, de um ano em que as pessoas não tivessem problemas.  Se não for problema financeiro, vai ser outra coisa -- vai ser um relacionamento, por exemplo.  Se não houver nada no nível externo a nos perturbar, aparecem coisas no nível interno, como as depressões ridículas pelas quais passamos.  

Psicólogos e psiquiatras podem escarafunchar as causas dessas depressões.  "Ah, você deve ter sido traumatizado na infância" e coisas assim.  Mas, de fato, não importa.  Apesar de todos os livros, teorias e tratamentos dos cientistas e terapeutas, muita gente permanece infeliz, continuamente.  

Como eu disse antes, sejam quais forem os tipos de crises ou obstáculos que nos confrontem -- sejam externos, internos ou secretos --  temos de lidar com eles usando o controle da mente, usando técnicas como a meditação, atenção plena e presença mental.  No entanto, pessoas como nós precisam de uma ajuda a mais, que não seja tão sutil como a meditação, que seja mais tangível, que envolva coisas como flores, incenso, rituais.  Pelo menos no nível psicológico.

É claro que, se você tem plena confiança nas Três Jóias, no caminho, na visão, a ajuda não é apenas psicológica; ela também acontece com base na lógica de causas e condições.  Como Buda disse,  todos os fenômenos em nossa vida são, em essência, uma questão de condicionamento, e todo condicionamento é uma questão de pensamento.  

Isso é tão verdade.  Por exemplo, ficamos contentes quando recebemos um ridículo e inútil cartão de Natal;  apesar de ele não fazer nada, isso nos alegra.  Do mesmo modo, imagino eu, como seguidores do caminho de Buda, é bom termos, é bom conhecermos alguns métodos alternativos para ajudar a nós mesmos e aos outros.

Especialmente no Oriente, existe uma forte tradição de criação de méritos, visando a remoção de nossos obstáculos e realização de desejos.  Existe essa tradição.  Existe também uma tradição de pedir aos praticantes que façam certos rituais, em casos específicos.  Isso, na verdade, não está partindo só de mim; alguns lamas e eu discutimos essa questão esse ano que passou.  A idéia é que seria muito bom se as pessoas não só participassem de rituais fazendo oferendas, mas também realizassem, elas mesmas, certos rituais e práticas.  

Em conclusão, o que temos diante de nós são duas questões:  "Do que realmente precisamos?"  E também, "O que nos incomoda?"

De uma perspectiva budista, o que realmente precisamos é de proteção.  Estou falando em termos bem amplos.  Não apenas proteção contra coisas externas, como acidentes, picadas de insetos, terremotos, mas principalmente proteção contra nosso próprio egoísmo, nossa raiva, inveja, orgulho e emoções desse tipo.  

Com relação a rituais, um dos melhores que vocês  podem fazer é tomar refúgio.  Eu dei a vocês o lung de uma prática de refúgio,  mas, é claro, não existe apenas esta.  Mesmo no ngöndro e em várias outras sadanas o refúgio está presente.  Qualquer um desses é bom, como um complemento.  

Vocês podem fazer isso diariamente.  Se estiverem enfrentando um problema específico -- seja externo, interno ou secreto -- , vocês podem assumir o compromisso de fazer a prática de refúgio dez mil vezes, cem mil vezes.  

A visualização e todo o resto é o que normalmente se faz na prática de refúgio.  Para acrescentar um elemento, um sugestão que faço hoje é que Tara é uma deidade muito boa para se tomar refúgio.  Como um mínimo,  você pode recitar o mantra de Tara.  Se quiser fazer mais, faça os louvores às vinte e uma Taras.  Se puder  fazer mais, faça dorchok, ritual de Tara.  Se puder fazer ainda mais, faça o ritual de Padma Nyingtik, que é uma sadana completa de Tara.  

Tara é uma deidade muito especial para proteção e remoção de obstáculos.  Realmente vocês é quem decidem, mas, apenas como uma idéia para a visualização, vocês podem visualizar Tara no alto da sua cabeça enquanto recitam o mantra, os louvores ou o ritual.  Vocês podem visualizar a mão direita de Tara com a palma voltada para baixo, e vocês se abrigam aí.  Isso é especialmente bom para proteção.  Se vocês têm familiares e amigos, podem também visualizá-los debaixo da palma da mão de Tara.  Se vocês quiserem praticar num nível um pouco mais profundo, a visualização de Tara se dissolve na sua forma, e você se torna Arya Tara, e então recita os louvores.  Isso com certeza é bom.  

Então, esse foi o refúgio.  Mas do que estamos realmente precisando?  De proteção.  E, no fundo, o que é proteção?  O que está nos prejudicando?  O tempo todo, de muitas e  diferentes maneiras, o principal culpado, o agente causador dos nossos problemas são as dívidas cármicas.  Enquanto você tiver dívidas cármicas, estará vulnerável a obstáculos.  

 E dívidas cármicas você as tem de monte!   Por fazer de alguém seu pai, sua mãe, seu filho, seu amigo, sua secretária, seu presidente, seu empregado, sua montaria, como no caso de um cavalo.  Você também acumula dívidas cármicas ao  fazer de alguém sua comida, como no caso de um galinha.  Ao tomar o espaço de uma pessoa, aborrecê-la, fazê-la infeliz -- dívidas cármicas de todos os tipos.  

Desde o momento em que levantamos um dedo, a maior parte do tempo,  passamos a criar dívidas cármicas.  A dívida cármica é o agente gerador de obstáculos; portanto, ela precisa ser dissipada, se você está interessado em se livrar dos seus obstáculos.  

Nesse particular, existem muitas coisas que podem ser feitas.  Uma que o próprio Buda enfatizou foi a oferenda de água, mas essa prática é um pouco complicada.  Você precisa de um lugar, precisa despejar a água e tudo mais.  É claro que, se você tiver vontade, pode fazer essa prática.

 Acho, porém, que mais fácil é a oferenda de sang ou sur (incenso ou fumaça aromática).  Especificamente, o texto escrito por Lhatsüm Namkha Jikme -- Riwo Sangchö --   é excepcional.  Se vocês lerem a liturgia, verão que é completamente Maha-Ati.  Vocês sabiam que Jenga (?) Rinpoche, um grande estudioso,  escreveu um comentário sobre este Riwo Sangchö? Quase como um tratado filosófico.  

Vamos falar agora de como a prática pode ser feita.  Vocês podem fazer apenas a recitação do texto, sem necessidade de queimar nada.  A recitação já basta.  Visualizem as substâncias sendo queimadas.  Se vocês tiverem incenso, uma vareta já é o suficiente.  Por outro lado, se tiverem a oportunidade, o espaço, esse tipo de coisas, queimem uma boa porção de madeira, junto com outras substâncias como chá, manteiga, leite, grãos, roupas (de preferência limpas, não as suas roupas de baixo usadas).  Façam uma grande fogueira e tudo o mais.

Bem, agora vocês já sabem como dimensionar a prática.  Pode ser desde uma prática sem fogo, sem incenso, até uma enorme fogueira.  Portanto, não venham com perguntas do tipo "Que espécie de fogo?", "Que tamanho de fogo?", "Que substâncias?" e outras assim.   A propósito, nada de carne, O.K.?

Para simplificar, quando vocês forem recitar a liturgia, terá refúgio, bodhicitta e tudo mais.  Vocês seguem o texto.  Se conseguirem, se quiserem, poderão visualizar a si mesmos como Guru Rinpoche.   Se estiverem queimando algo, está bem assim.  Se desejarem elaborar a visualização, podem visualizar a fumaça como uma linda deusa de cor esfumaçada; na mão direita, ela  segurar uma colher funda, uma concha, da qual saem todos os tipos de substâncias de oferenda.  Tudo o que nós, seres humanos, consideramos precioso, útil, e também coisas que outros seres sencientes consideram útil e precioso.  Vocês fazem essas oferendas, sempre começando pelas Três Jóias e as Três Raízes, e depois as linhagens, os detentores de linhagem, os dharmapalas, os  seres dos seis reinos e depois, especialmente, aqueles com quem vocês têm débitos cármicos, todos aqueles que mencionei anteriormente.  Há também uma instrução específica sobre oferendas para os fantasmas famintos, os seres do bardo.  No final, fazemos a dedicação do mérito.  É isso.